INTRODUÇÃO

Historicamente, foi sempre nos períodos mais difíceis que o nosso País atravessou, ao longo de mais oito séculos de existência, que o Norte de Portugal e, em particular, o território que hoje corresponde à Área Metropolitana do Porto, afirmaram a sua resiliência, adaptando-se e fazendo parte da mudança estrutural a que assistimos em cada um desses momentos. São, hoje, inúmeros os desafios com que a Área  Metropolitana do Porto se confronta, seja enquanto espaço territorial, seja como plataforma de concertação institucional. Do ponto de vista económico, social e mesmo cultural os problemas são de uma dimensão tal que a sua resolução apela, uma vez mais, a esta capacidade intrínseca das nossas gentes, empresas e instituições para, através da sua iniciativa e persistência, colocarem a Área Metropolitana do Porto e o País na rota do crescimento que se pretende inteligente, sustentável e inclusivo.

Esta transformação não será possível se no plano organizativo e institucional não formos capazes de criar e fortalecer relações, entre todos os atores relevantes, assentes na confiança bem como de adoptar novos modelos de governação em rede que favoreçam a “coopetição” e a conectividade regional.

Na ausência de estruturas de nível regional dotadas de legitimidade democrática, cabe à Área Metropolitana do Porto, enquanto entidade representativa do poder local, ocupar este espaço, assumindo-se como uma plataforma de cooperação institucional promotora de sinergias e de soluções organizativas inovadoras que respondam aos anseios e ambições deste espaço regional. Constituindo a territorialização das políticas uma prioridade da nova Política de Coesão da União Europeia, o documento de estratégia AMP 2020 é uma proposta de guião e de mapa que deve orientar e fundamentar este esforço coletivo de transformação da Área Metropolitana do Porto, nos próximos anos.

Ao delinear uma estratégia que vai além daquelas que são as áreas tradicionais de investimento e de ação municipal, a Área Metropolitana do Porto e os Municípios que a integram deram um primeiro passo. Fica lançado o repto às pessoas, às instituições e às empresas para se unirem em torno desta nova visão e trabalharem em conjunto na sua concretização, no horizonte temporal 2020.

Hermínio Loureiro - Presidente do Conselho Metropolitano do Porto



Caracterização da AMP


A AMP e o seu Território

O Porto, cidade com as suas referências inscritas na história, afirma-se hoje como cidade-pólo, embrionária da grande região que é hoje a Área Metropolitana do Porto (AMP). Localizada no Litoral Norte de Portugal, a AMP abraça uma zona geográfica composta, actualmente, por 17 municípios contíguos, numa área aproximada de 2.040 Km2 com uma população residente a rondar 1.700.000 habitantes. Todos estes concelhos assumem as suas particularidades mas convergem numa complementaridade pela diversidade, na qual a AMP é, sem dúvida, um portador e promotor dessa coesão.


A AMP e os seus Municípios

Os 17 concelhos que compõem a Área Metropolitana do Porto apresentam características únicas e identitárias que conferem ao território metropolitano a sua diversidade cultural. Essa identidade/diversidade está refletida na multiplicidade de ofertas de programas gastronómicos, desportivos, de natureza e culturais, que oferecem aos visitantes e aos conterrâneos vivências e experiências únicas.


A AMP em Números

A Área Metropolitana do Porto disponibiliza informação estatística que dá a conhecer as principais características da população, da habitação, da educação, do ambiente, da saúde e da dinâmica económica do seu extenso território.


PÓVOA DEVARZIM VILA DOCONDE TROFA MAIA VALONGO GONDOMAR PAREDES MATOSINHOS PORTO VILA NOVADE GAIA ESPINHO SANTA MARIADA FEIRA SÃO JOÃODA MADEIRA OLIVEIRADEAZEMÉIS VALE DECAMBRA AROUCA SANTOTIRSO